ICEx UFMG - Notícias
Publicado em: Notícias do Icex
Avalie este item
(0 votos)

Vamos transformar Brumadinho...

 

Inscreva-se gratuitamente em acessando o LINK

 

A presença do Ministro Marcos Pontes e Reitoria no evento de lançamento está confirmada.

 

 

Publicado em: Teses
Avalie este item
(1 Voto)

A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação tem a satisfação de convidá-lo para a Defesa de Dissertação:

 

Learning the Latent Structure of Networked Point Processes

Guilherme Resende Borges

 

A temporal point process is a sequence of timestamps representing the occurrences of certain events. Recently, there has been a lot of work on the use of Networked Point Processes to extract the latent graphs of large scale networks. The problem can be framed as follows: Given a set of timestamps (e.g. messages or posts) for K entities (e.g. users or web pages), can we extract a latent K by K graph that corresponds to an underlying complex network using only the timestamps? This task has gained attention of researchers and practitioners due to its wide applicability and several models have been proposed to extract such relationships in different datasets. However, we have found that such models are usually under-evaluated. That is, past endeavours focus on a small set of unjustified metrics for one or two datasets at most. To provide the community with a rigorous benchmark, we propose an evaluation framework of metrics and datasets for network inference via Point Processes.

 

Comissão Examinadora:

 

Prof. Pedro Olmo Stancioli Vaz de Melo - Orientador (DCC - UFMG)

Prof. Renato Martins Assunção - Coorientador (DCC - UFMG)

Prof. Flavio Vinicius Diniz de Figueiredo - Coorientador (DCC - UFMG)

Prof. Daniel Ratton Figueiredo (PESC - UFRJ)

Prof. Heitor Soares Ramos Filho (DCC- UFMG)

 

5 de Dezembro de 2019

14:00h

 

Sala 2077 do ICEX

Publicado em: Teses
Avalie este item
(0 votos)

A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação tem a satisfação de convidá-lo para a Defesa de Tese:

Methods for Vector Representation and Topic Modeling of Short Text

Marcelo Rodrigo de Souza Pita

 

Short texts are everywhere in the Web. They are characterized by little context words and a large collection vocabulary. This makes the discovery of knowledge in short text challenging, motivating the development of novel effective methods. This work has contributions in two lines of research. In the first line, a framework that creates larger pseudo-documents for STTM is proposed, from which we derive two implementations: (1) CoFE, based on the co-occurrence of words; and (2) DREx, which relies on word vectors. We also propose Vec2Graph, a graph-based representation for corpora induced by word vectors, and VGTM, a probabilistic short text topic model that works on the top of Vec2Graph. In the second line of research, we report a investigation on proper ways of combining word vectors to produce document vectors. Experiments show competitive results both in NPMI (topic modeling) and F1 (document classification), many times with significant improvement over state-of-the-art methods.

Comissão Examinadora:

Profa. Gisele Lobo Pappa - Orientadora (DCC - UFMG)

Prof. Marcos André Gonçalves (DCC - UFMG)

Prof. Marco Antônio Pinheiro de Cristo (IComp - UFAM)

Prof. Alexandre Plastino de Carvalho (IC - UFF)

Prof. Pedro Olmo Stancioli Vaz de Melo (DCC - UFMG)

 

2 de Dezembro de 2019

13:00h

 

Sala 2077 do ICEX

Publicado em: Notícias do Icex
Avalie este item
(1 Voto)

 

Com intuito de expandir a política de valorização do estudante e pesquisador negro, em especial nas áreas das Ciências Exatas, acontece na próxima semana, de 26 a 29 de novembro, o I Colóquio de Ciências Exatas & Negritude. O evento, que será realizado pelo movimento IVONE no Instituto de Ciências Exatas (Icex) da UFMG, no campus Pampulha, foi desenvolvido em consonância com o Plano Nacional de Educação (PNE), enquadrando-se como uma intervenção que busca trazer as discussões étnico-raciais para o âmbito acadêmico, diminuindo os reflexos do racismo dentro das universidades.

A proposta inclui a realização de atividades acadêmicas e culturais, como palestras, oficinas, mesas-redondas, rodas de conversa, apresentações de dança e de música, exposições, entre outras. Além de debates abordando o tema do colóquio, como a história dos movimentos negros no Brasil e as políticas de permanência de alunos negros na UFMG, serão apresentados trabalhos de destaque produzidos por pesquisadores negros da UFMG, como a reconstrução de grafos e a descoberta de aglomerados estelares.

A programação completa pode ser conferida aqui. As inscrições gratuitas também devem ser feitas no site do evento.

Movimento Ivone

Há menos de um ano, foi criado na UFMG o movimento IVONE - Coletivo de Negros do Icex. Seu intuito principal é fomentar as discussões em torno das relações étnico-raciais que caracterizam a sociedade brasileira em geral. O alvo principal das ações do coletivo é o indivíduo das Ciências Exatas que, via de regra, não entra em contato com a questão racial, discutida majoritariamente em cursos das áreas de Ciências Humanas e Ciências Sociais.

Segundo o grupo, “por ser sistêmico e estar entranhado em todas as instituições, o racismo não poderia deixar de estar presente na universidade e no Icex em especial. Casos concretos já aconteceram e continuam acontecendo. Não obstante, o negro, ao frequentar um ambiente majoritariamente branco e com o histórico negativo que o racismo deixou em sua subjetividade, tende a não se sentir acolhido. Sente que não pertence ao lugar onde deve estar por direito”.

Foi nessa perspectiva que o movimento IVONE criou o I Colóquio de Ciências Exatas & Negritude. O objetivo é ampliar as discussões para além do acesso igualitário ao ensino superior público, chegando também à importância da garantia da permanência, da integração e do desenvolvimento do indivíduo negro.

 

Assessoria de Imprensa UFMG

Publicado em: Notícias do Icex
Avalie este item
(0 votos)

Reunido excepcionalmente na tarde desta segunda-feira, 25, o Conselho Universitário da UFMG posicionou-se, por meio de nota, sobre fatos associados à prisão de pessoas suspeitas de tráfico de drogas nas dependências do campus Pampulha. O comunicado, assinado pela reitora e presidente do Conselho, professora Sandra Regina Goulart Almeida, esclarece que “a sentença judicial, proferida em 24/10/2019, pelo Juiz de Direito da 3ª Vara de Tóxicos da Comarca de Belo Horizonte, da qual o MEC foi notificado, deixa claro que nenhum dos acusados é estudante ou servidor da UFMG, nem tem qualquer vínculo com a Instituição”.

 

Nota do Conselho Universitário da UFMG_25.11.2019.pdf

 

A notícia completa pode ser lida no LINK

Publicado em: Informes
Avalie este item
(0 votos)

EXAME ESPECIAL 2º SEM. DE 2019

 

 

 

NÃO É NECESSÁRIO FAZER INSCRIÇÃO, BASTA APRESENTAR-SE NO LOCAL,DATA E HORÁRIO MARCADOS PARA O EXAME.

 

Seção de Ensino ICEx - UFMG

 

Publicado em: Notícias do Icex
Avalie este item
(0 votos)

Parceria do campus Saúde com o Departamento de Química do ICEx possibilitou a criação de nova tecnologia, de baixíssimo custo, capaz de combater larvas e ovos do mosquito Aedes aegypti mesmo em águas extremamente sujas, como a de esgotos. Trata-se de uma pastilha feita com tijolo de cerâmica tratado quimicamente, que é eficaz em locais inóspitos, como bueiros e ralos, onde não há luz ou água limpa. O larvicida, desenvolvido por equipe coordenada pelo professor Jadson Belchior, reduziu, em mais de 80%, a população do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika no campus Saúde.

O dispositivo foi criado para atender demanda do campus, que tem os bueiros como principal foco de proliferação desses vetores. Esse comportamento foge do habitual, uma vez que o Aedes aegypti costuma depositar ovos em recipientes com água limpa. “Nas unidades do campus, os vasinhos de plantas foram reduzidos. O mosquito provavelmente está fora dos prédios e migrando para dentro. Os bueiros acumulam água parada e nutrientes gerados por folhas secas. E  é justamente disso que os ovos precisam para virar larvas”, detalha Jadson Belchior.

A pesquisa teve início no começo deste ano, em continuidade a estudos desenvolvidos em 2018, também em parceria com o campus Saúde. Essas pastilhas têm como suporte uma cerâmica impregnada com moléculas nocivas à larva, mas com nível de concentração que não faz mal ao ser humano.

O material larvicida é liberado de forma lenta e controlada depois de entrar em contato com a água, por cerca de seis a sete semanas, o que inibe o desenvolvimento dos ovos na fase larvária, impedindo-os de eclodir ou matando as possíveis larvas que surgirem.

O dispositivo foi abordado em matéria publicada na edição 2.081 do Boletim UFMG, que circula nesta semana.

Publicado em: Notícias do Icex
Avalie este item
(1 Voto)

 

Google anunciou os 25 ganhadores da sétima edição do Latin America Research Awards (LARA) 2019, programa de bolsas para pesquisa em computação na América Latina. O evento ocorreu no Centro de Engenharia do Google, em Belo Horizonte, e reuniu professores e pesquisadores de projetos e iniciativas voltados para as áreas de segurança, detecção de doenças, meio ambiente, dados, etc. Dos ganhadores, três projetos são da capital mineira.

O programa é voltado para estudantes de mestrado e doutorado de universidades latino-americanas e também para seus professores e orientadores. Serão destinados cerca de R$ 2 milhões para suporte das iniciativas vencedoras. O intuito é ajudar projetos que busquem soluções tecnológicas para problemas do cotidiano, como empreendedorismo, inovação digital e saúde pública.
 
O estudante de ciência da computação da UFMG Derick Oliveira baseou seu estudo na classificação automática e interpretável do eletrocardiograma de 12 variações para as 74 classes de diagnóstico a partir desses sensores, em parceria com o Hospital das Clínicas de BH. O estudante explica que o projeto visa à um exame mais preciso e eficiente. “Com esse sinal conseguimos inferir tanto no diagnóstico feito pelo cardiologista quanto dar uma explicação, textual e visual”, conta. O estudo teve orientação do professor Wagner Meira Júnior.
 
Já o estudante Otávio Augusto Souza, com orientação da professora Olga Goussevskaya, propõe uma nova abordagem para redes de comunicação autoadaptativas e distribuídas, baseada em contadores. Redes que modelam a si próprias tentando otimizar a comunicação a que elas servem, no caso do projeto dele, as datas centers. “Queremos tornar essas datas centers adaptativas. Hoje em dia, é muito presente a questão da nuvem, só que a nuvem existe e está em algum lugar. Ela é física, gasta mais energia que uma cidade, por exemplo. Com essa rede adaptativa, podemos diminuir o custo de operações”, explica.
 
 
A notícia completa pode ser lida no LINK
 
Publicado em: Teses
Avalie este item
(0 votos)

A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação tem a satisfação de convidá-lo para a Defesa de Dissertação:

 

GAZE-BASED SEMANTIC HYPERLAPSE

Alan Carvalho Neves

 

The growing data sharing and life-logging cultures are driving an unprecedented increase in the amount of unedited first-person videos. We address the problem of accessing relevant information in first-person videos by creating an accelerated version of the input video, emphasizing the important moments to the recorder through an attention model based on gaze and visual scene analysis. Moreover, by employing a scene novelty strategy in our attention model, we avoid overly watching video segments in the accelerated video. We performed several experimental evaluations on publicly available first-person video datasets. In task coverage, our method is 9.6 p.p. superior to the best competitor. Considering the semantic load, it captured 15% more objects in gaze surroundings than the best competitor. Our methodology can fast-forward videos emphasizing moments when the recorder visually interacts with scene components while enforcing the diversity aspect of retrieved information.

 

Comissão Examinadora:

Prof. Erickson Rangel do Nascimento - Orientador (DCC - UFMG)

Prof. Mario Fernando Montenegro Campos - Coorientador (DCC - UFMG)

Dr. Michel Melo da Silva - Coorientador (Verlab - UFMG)

Prof. Alexei Manso Correa Machado (DCC - PUC/MG)

Prof. Guillermo Cámara Chávez (DECOM - UFOP)

Prof. Hélio Pedrini (IC - UNICAMP)

 

28 de Novembro de 2019

09:00h

 

Sala 6321 do ICEX

Publicado em: Notícias do Icex
Avalie este item
(0 votos)

 

Foi realizada no ICEx, durante os dias 14, 15 e 16 de novembro, a décima primeira edição da Conferência Nacional sobre Modelagem na Educação Matemática (XI CNMEM). O evento contou com a participação de professores de diversos estados de todo o país. Foram submetidos mais de 150 trabalhos no total.

 

Durante o decorrer da XI CNMEM houve a ministração de palestras e minicursos tratando dos benefícios que a modelagem matemática pode trazer para o ensino da disciplina.

 

De acordo com a organizadora do evento, professora do Departamento de Matemática, Jussara de Loiola Araújo, a modelagem pode mudar a configuração dentro de sala de aula. Para ela, o professor deixa seu papel tradicional de transmissor de informações, para assumir o lugar de tutor e instigador, e os alunos transformam-se em protagonistas nas discussões e produção de conhecimento.

 

A educação matemática, que tem como um de seus expoentes o professor Ubiratan D’Ambrósio, desdobra-se em várias tendências ou orientações, que influenciam diretamente a prática em sala de aula. Além da modelagem matemática, contempla o uso de tecnologias, investigações, etnomatemática e história da matemática, entre outras dimensões. São práticas que se opõem ao modelo único e tradicional da transmissão do conhecimento pelo professor e põem a interdisciplinaridade em lugar visível na resolução dos problemas.

 

A partir dos anos 80, influenciada pelo pensamento de Paulo Freire e do próprio D’Ambrósio, a modelagem matemática ganhou força no Brasil e carrega uma peculiaridade que a difere do resto do mundo. “Internacionalmente, a modelagem matemática está mais voltada para a perspectiva educacional, para o ensino dos conteúdos. No Brasil, o diferencial é que essa perspectiva ganha força política, cultural e social. A abertura para que os próprios estudantes proponham os problemas reflete o objetivo de se educar matematicamente as pessoas para que elas atuem criticamente na sociedade”, compara Jussara Loiola.

Página 1 de 37