ICEx – Instituto de Ciências Exatas

 

Até o final da década de 1960, os professores de disciplinas com conteúdos de Física, Matemática e Química da UFMG estavam dispersos em vários institutos, principalmente na Escola de Engenharia, na Faculdade de Farmácia e na Faculdade de Filosofia. Nesta última, estavam sediados os cursos de licenciatura e bacharelado em Física, Matemática e Química.

Com a Reforma de Ensino de 1968, foi instituído o ICEx – Instituto de Ciências Exatas – que agrupou todos professores dessas três áreas nos Departamentos de Física, Matemática e Química. Esse Instituto era responsável por todo Ciclo Básico da área de Ciências Exatas, por várias disciplinas do Ciclo Básico de Ciências Biológicas e pelos três cursos correlatos que vieram da Faculdade de Filosofia.

Na década de 1970, foram criados os Departamentos de Ciência da Computação e Estatística e os respectivos cursos de graduação.

Atualmente, o ICEx é formado por cinco departamentos, com cerca de 300 professores e 150 servidores técnico-administrativos. O Instituto oferece nove cursos de graduação e cinco de pós-graduação, todos extremamente bem avaliados – os de graduação pelo INEP/MEC e os de pós-graduação (mestrado e doutorado) pela CAPES – são dois cursos com conceito 7 (nota máxima), dois com conceito 6 e um com conceito 5. Além disso, mais de 5 mil estudantes de outros cursos da UFMG são matriculados no ICEx todo semestre.

Na pesquisa, o Instituto conta aproximadamente com mais de 100 laboratórios de pesquisa que geram, a cada ano, mais de 300 artigos científicos, 50 teses de doutorado e mais de 100 dissertações de mestrado. Além disso, dois Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia – o Instituto de Nanomateriais e o INWEB: Instituto nacional de pesquisa da web - Redes complexas na Web – são sediados no ICEx.

Na extensão, existem vários projetos de ensino e de divulgação científica, são efetuadas diversas atividades de prestação de serviços e são ofertados diversos cursos abertos à comunidade ou sob demanda específica.